terça-feira, 7 de outubro de 2014

Aécio ou Dilma: PSB pode liberar filiados, diz Amaral


 O presidente do PSB, Roberto Amaral, disse para a candidata derrotada do partido na eleição presidencial, Marina Silva, que será difícil obter a unidade da legenda em torno do nome de Aécio Neves, candidato do PSDB, no segundo turno da disputa. Amaral e a deputada federal Luiza Erundina estiveram na casa de Marina, na noite de segunda-feira, para informar a posição do partido. No PSB, o coordenador da campanha de Marina, Walter Feldman, afirmou que a neutralidade pode ser um caminho adotado pelos socialistas: 

— Ele (Amaral) disse que a tendência é não ter unidade de apoio a um ou outro candidato. O que talvez leve o PSB a liberar por decisão individual, mas isso ainda não está claro — disse Feldman. 
Uma reunião da Executiva do partido, marcada para esta quarta-feira em Brasília, vai definir a posição oficial do partido. 

Apesar de estar filiada ao PSB, Marina Silva não se considera integrante da legenda. Sendo assim, é provável que a ex-ministra siga a posição da Rede Sustentabilidade.

Na reunião do PSB, marcada para quarta-feira, estarão em discussão duas hipóteses: apoiar Aécio ou a neutralidade, com a permissão para que cada membro da legenda escolha em quem vai votar.

Dos 30 integrantes da Executiva com direito a voto, pelos menos oito defendem uma aliança com tucano. Erundina defende a neutralidade, junto com os candidatos a governador do Amapá, Camilo Capiberibe, e da Paraíba, Ricardo Coutinho. ''O partido está bem dividido'', disse Márcio Franca, presidente da legenda em São Paulo e vice-governador eleito na chapa do tucano Geraldo Alckmin. Ele defende apoio a Aécio.
(O Globo)

Nenhum comentário:

Postar um comentário